O que é a OPEP e o que ela faz?

0

Ao ver o nome surgir nos noticiários, entre outros conteúdos, muitos ainda se perguntam o que é a OPEP? E, porque essa sigla ganha tanto destaque nos assuntos que envolvem nações em todo o mundo.

Afinal de contas, o que é a OPEP e por que essa organização é tão importante para a estabilidade econômica do mapa geopolítico e até mesmo para decisões relacionadas a conflitos armados entre países? Confira a seguir o que é a OPEP, o que ela representa, quais são as suas metas e objetivos, como surgiu e muito mais!

O que é a OPEP e o que ela representa?

A sigla OPEP representa a Organização dos Países Exportadores de Petróleo. Em outras palavras, é a união de todas as nações que produzem petróleo.

O que é a OPEP e o que ela representa
O que é a OPEP. Fonte/Reprodução: original

Mas vale ressaltar que há uma relação de desigualdade entre esses países, que pode ser determinada por fatores econômicos, sociais e políticos.

Quais são as metas e objetivos da OPEP?

A OPEP foi criada porque o petróleo é um bem na natureza, cujo valor é, em certo sentido, inestimável. Isso quer dizer que tudo contribui para seu preço alto e necessidade de regulamentação de preços e políticas em torno dele.

Portanto, a OPEP tem como meta constante a regulamentação dos preços e das políticas do petróleo, o que causa impactos na economia mundial. Uma nação produtora de petróleo, que faça parte da OPEP, não pode fixar seus próprios preços sem o consentimento da organização.

Com isso, tudo o que essa organização decide reflete no câmbio, na bolsa de valores, na oscilação do mercado: sempre em escala global.

Como surgiu a OPEP?

Já o surgimento da OPEP aconteceu no ano de 1960. O contexto histórico dessa época, assim como de todo século XX, é de uma valorização extrema do petróleo. Por isso, as nações produtoras se uniram a fim de ter mais poder sobre o mercado internacional.

Quem são os membros da OPEP e como eles são escolhidos?

Na época do surgimento do que é a OPEP, os países unidos eram: Venezuela, Arábia Saudita, Iraque, Irã e Kuwait. Mas, dos anos 60 para cá, ocorreram várias mudanças. Com o passar dos anos, outros países entraram na organização, nessa ordem: Emirados Árabes, Argélia, Líbia, Nigéria, Gabão, Angola, Congo e Guiné Equatorial.

Os critérios de entrada de um país no que é a OPEP, desde o início até os dias atuais, são uma exportação robusta o suficiente de petróleo bruto, e a convergência de interesses dos países-membros.

É necessário que haja uma votação quanto a entrada de um novo país, onde é preciso que ¾ dos membros votem a favor; isso inclui os votos favoráveis dos países fundadores do que é a OPEP.

Quais são os países dominantes dentro da OPEP?

Os países-membros com maior dominância no que é a OPEP, e que por isso também representam um peso grande nas regras do mercado, são a Venezuela e a Arábia Saudita. Isso acontece porque essas nações respondem pelas maiores reservas de petróleo no mundo, com 25% e 29%, respectivamente.

Qual é a relação entre a OPEP e o mercado de petróleo?

Somente a Venezuela e Arábia Saudita, juntas, correspondem a quase metade das reservas petrolíferas no mundo. Por isso, é seguro dizer que a relação da OPEP com o mercado de petróleo é de poder.

Em virtude do preço do petróleo mais valioso do mundo ser fixado apenas por 13 países-membros da OPEP, essa organização é constantemente acusada de cartelização. Isso significa a formação de um oligopólio para impor preços inacessíveis sobre o seu produto.

Nações desenvolvidas pagam caro pelo petróleo, ao passo que as em desenvolvimento, ou não desenvolvidas, não possuem tanto acesso.

Qual é o sistema de quotas de produção e como ele funciona?

A OPEP impõe uma quantidade máxima de petróleo a ser produzida diariamente pelos seus países membros: não pode haver produção excessiva nem escassez. Ambos os casos fogem das políticas de controle, podem afetar o preço do barril e impactar de forma negativa a economia mundial.

Enquanto consideram a quota uma forma legítima de controlar os preços, outros acreditam que isso faz parte das práticas de cartel.

Como a OPEP fixa os preços do petróleo?

A OPEP atualmente fixa os preços a partir das quotas de petróleo. Se a quota é reduzida, os preços sobem em ordem inversamente proporcional. Porém, fatores como a dependência total de outras nações desse produto, bem como conflitos políticos e guerras podem elevar os preços fixados pela OPEP.

Quais são os desafios enfrentados pela OPEP?

Os grandes desafios da OPEP no contexto atual dizem respeito a promover um mercado de petróleo competitivo. Por se tratar de apenas 13 nações, e por deter 60% da exportação dessa commodity, a organização precisa criar políticas para fugir do estigma de cartel, dado por muitos especialistas em economia e política.

Outro desafio diz respeito aos próprios países-membro, uma vez que há muitas nações ricas em petróleo, mas cujos indicadores sociais não chegam perto dessa riqueza, como é o caso da Nigéria. Não à toa, a OPEP possui um fundo em comum para investimento a fim de levantar vários países.

O futuro da OPEP?

O futuro do que é a OPEP hoje aponta não apenas para os países-membro da organização, mas nas políticas de outros países, que são atuais compradores.

Na verdade, as grandes potências do mundo, como a Alemanha e os Estados Unidos, buscam novas formas de diminuir sua dependência do petróleo. Com a diminuição da demanda, a tendência é que a OPEP aumente o preço do barril do petróleo.

Com este artigo você descobriu o que é a OPEP e outras informações referente a essa organização, a qual é tão importante ao mundo financeiro e geopolítico.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.